Ser empreendedor exige habilidades do mundo contemporâneo, como autonomia, resolução de problemas complexos, capacidade de lidar com situações novas, criar soluções, entre outras habilidades que podem ser desenvolvidas durante a vida escolar. 

Não é apenas uma questão financeira ou profissional: aprender a empreender também estimula a responsabilidade, o planejamento e a capacidade de gestão. A própria Base Nacional Comum Curricular (BNCC) prevê o ensino de empreendedorismo na Educação Básica, uma vez que consegue reunir a prática de vários componentes curriculares já trabalhados pelas escolas.

O empreendedorismo reúne técnicas de aprendizado interativas e participativas, como o design thinking, que trabalha com a educação por meio de projetos. Também pode envolver a gamificação, especialmente quando são criadas competições estabelecendo concorrência entre os projetos idealizados, uma boa maneira de simular o ambiente mercadológico nas escolas. 

  • O impacto emocional

Ao fazer parte da criação de projetos que estimulem o olhar e pensamento empreendedores, o estudante aprende a tomar decisões, a agir com proatividade e a exercitar a criatividade, priorizando a solução de problemas. Desta maneira, ele se torna protagonista do seu próprio aprendizado e tem a oportunidade de descobrir aptidões.

Há, também, uma importante contribuição emocional pois, ao perceber-se capaz de solucionar problemas e alcançar o sucesso nos seus projetos, o estudante se sente mais autoconfiante e independente. “Várias habilidades acabam sendo desenvolvidas, como autogestão, liderança, pensamento crítico, proatividade e outras.”, explica a coordenadora pedagógica do Ensino Médio, Cláudia Blanco.

  • O empreendedorismo no Ranieri

“Nós do Colégio Ranieri estimulamos o empreendedorismo desde a Educação Infantil. Nas dependências do colégio nós temos um espaço, conhecido carinhosamente como vila, em que as crianças podem praticar seus conhecimentos de matemática no mini-mercado e entrar em contato, mesmo que de forma simplificada, com as mecânicas de um negócio”, explica. 

Um dos projetos mais esperados pelos estudantes é o momento de criar iniciativas que geram renda para financiar a festa de formatura. “Nossos alunos do Ensino Médio desenvolvem projetos de empreendedorismo, planejando e idealizando maneiras de acumular um capital financeiro considerável”, conta Cláudia.

A atividade é acompanhada pelos professores, que orientam os alunos para o sucesso em sua empreitada.

“A proposta do trabalho Empreendedorismo no Ensino Médio pretende desenvolver um olhar crítico e reflexivo, sensibilizar os alunos a respeito do empreendedorismo e da carreira empreendedora, possibilitar o conhecimento sobre os diferentes tipos de empreendedorismo: empreendedorismo social, oportunidades de mercado e negócios de impacto, de modo que desenvolva habilidades e competências em prol da construção de uma sociedade criativa, por meio de uma a cultura empreendedora”, explica Cláudia.

Saiba mais sobre as vantagens da criança aprender a empreender na escola, e outros projetos que o Ranieri apresenta para ensinar nossos estudantes na prática, em nosso site e conhecendo nossa proposta pedagógica.